Blanche DuBois é uma madura mais ainda atraente mulher, que gosta da virtude e da cultura como escudos para esconder sentimentos de amargura e desilusão além do vício do alcoolismo. Ao mesmo tempo em que foge da realidade, Blanche ainda busca atrair pretendentes.
As vezes ela fingia que não sabia o que estva acontecendo dentro da casa e queria que todos pensassem que ela era uma santa, as vezes eu mesma me perdi no filme e não entendia absolutamnete nada...

Geni Lira


Cypriano e Chan-ta-lan é um teatro de revista com uma estória. Uma tragicomédiaorgya com banda ao vivo, que canta as aventuras do príncipe Cypriano, herdeiro do trono de Golconda, em busca de sua amada Chan-ta-lan, simples camponesa, sequestrada por uma borboleta negra e levada para a selva da Colônia de Maracangalha. Durante anos Cypriano peregrina em busca do ungüento cor do tempo passando pela casa do Sol, da Lua e vivendo absurdos até que em Maracangalha encontra seu maior inimigo e seu amor e aí…
se quiser saber o fim dessa tragicomediorgya, só assistindo para saber.

Estréia dia 20 de novembro..., mais informações em breve...
" Má Educação" e "Morangos Silvestres" mostram o cotidiano e costumes da sua terra, com diálogos naturalistas trazem a vivência de cada extremo.
Pedro Almodóvar prima pelas cores e fotografias sensacionais. A cor magenta é a linha principal, uma cor primária que traz em seu leque nuances latinas, alegres, azul anil, amarelo, verde, laranja... Os seus filmes lembram melodramas, sempre tem travestis na trama principal e um toque de realismo, baseado em fatos reais, sem deixar de ser ficção. É um filme dentro de um filme. Ele toca temas tabus. Nesse filme e em tantos outros tem a atmosfera sexual, latina, quente, humana, de amor, dá sempre uma sensação gostosa. Quando estou desanimada ou em dia de Sol e calor, tenho vontade de ver um filme do Almodóvar.
Ingmar Bergman é um ícone do cinema, que faz de sua bela carreira cinematográfica história.
Seus filmes trazem a atmosfera do seu país, com cores mais sóbrias, mas sem deixar de ter humor.
Diálogos naturais, divertidos, com uma pitada de sarcasmo e ironia.
No enredo traz um homem relembrando a sua tragetória. Os cortes são bem interssantes, com associação de idéias num tom delicado, sutil.
É o segundo filme dele que eu vejo.

Lara Giordana

Bad Education ou Má Educação, filme onde vivencia-se três momentos ou "três historias", onde que uma é no presente, que se encontra um diretor, que dirigi e escreve filmes. Em um dia normal de trabalho recebi uma inesperada visita que é de um antigo amigo de faculdade " e que também foi seu grande amor na infância" , onde este lhe trás uma historia de autoria propria, que se baseia um pouco na infância dos dois mas com algumas coisas ficcias, curiosamente, o diretor resolve pegar a historia de seu ex-colega de infância, e assim começa, lê-la. Nisso, inicia-se uma nova historia, mas não muito fora da realidade, onde, acontece-se uma transição da presente com
o ficcio, e que neste o ficcio, no meio dele ten-se mais uma outra historia, que é a dos dois amigos quando pequenos, parece que foi por aí onde que tudo começou..., e somente assim, entenderemos o titulo do filme Má Educação.

Vivien Leigh em Blanche DuBois


Vivien Leigh, no persongem de "Blanche" no filme "Um Bonde Chamado Desejo", (filme baseado numa peça de teatro com este mesmo nome), atuação magnífica desta atriz, sua fala, em seu corpo, principalmente em seu olhar, achei muito profundo e encantador. Em certos momentos do filme, Blanche passava-se a ser bem doce, em outros nem tantos, tinha uns surtos de loucura" mas nada fora do normal", mas mostrava-se uma mulher forte ás opressões feitas pelo marido de sua irmã, que era um tremendo arrogante, mas ela é sempre uma pessoa linda, doce,gentil, educada, cheia de formalidades...uma pessoa completamente maravilhosa, mas o seu unico mal, é encobrir sua real idade, mesmo com uma aparencia de ser bem mais velha do que diz, ela mesmo assim tenta encobrir, para entender só assistindo mesmo, e assim desfrutando de um belo filme e de uma bela atriz chamada: Vivien Leigh.

Um Bonde Chamado Desejo

Um Bonde Chamado Desejo.

Um bonde Chamado desejo

Retrata de uma história que proporciona uma

forma de amar.

É o ápice do corpo em relação com

o conceito do amor funcional
de um amor moral

Partindo somente para uma satisfação de um desejo sul real



nandopoesia@yahoo.com.br

Viven Leigh

Blanche DuBois. Você sente que a loucura está presente, nos olhos, cílios, bocas, suspiros, mãos...Ela é extremamente bipolar, o que particularmente me toma, nessa sala fechada, numa tarde quente eu me senti tão presa e confusa quanto ela. Como é triste estar só, só como um nó nesse extenso fio da vida. Vivien Leigh abusa das pausas dramáticas o que dá naturalidade e veracidade nesses sentimentos tão complexos que só uma pessoa que tem nível alto de ansiedade podem compreender. A mim foi bem satisfatório assisti-la, já gosto muito da atuação dela por outros filmes que vi. Delírio, Caos psicológico, solidão e ânsia por felicidade e amor. (Lara Giordana)

Blanche DuBois

A atuação da atriz Vivien Leigh impressiona simplesmente pelo fato da atriz viver muito intensamente a personagem. Me parece que a personagem tem personalidade múltipla ou problema de bi-polaridade. Emociona pela suavidade das expressões. Causa intriga pela luta interna que ela vive. Me tocou a mudança da voz também, que a atriz soube trabalhar magistralmente causando delírios na nossa mente. Horas dá vontade de pegá-la no colo, outras vezes tacá-la na parede de tanta histeria. (Caio Rocha)

UM BONDE CHAMADO DESEJO